Dicas de técnicas no kitesurf

12 de maio de 2015

A primeira recomendação a você é ter algumas aulas de kite para que não cause problemas a si próprio e ao próximo em termos de segurança. Escolha um lugar para aprender onde tenha poucas pessoas, sem obstáculos ou vento “sujo”. Aprenda como ajustar seu kite, como usar o quick-release, como funciona a janela de vento, zona de power etc. Após aprender os princípios de segurança, você pode começar a tentar desenvolver algumas habilidades, aqui estão umas dicas boas:

Usando o Kite

Para ser um bom kitesurfer você deve saber dominar totalmente o seu kite. Como muitos dizem, kitesurf é 90% do controle do kite. Comece treinando preferencialmente com 2 linhas e depois passe para 4, sempre com ventos não muito forte. Escolha o tamanho de kite de acordo com seu peso e com a força do vento, de modo que você não tenha problemas com o excesso de força exercida pelo vento. Pilotar o kite exige: decolagem auxiliada por outra pessoa, decolagem sem auxilio, conhecer zonas neutras, zona de power, técnicas de vôo e técnicas de pouso. Fique tranqüilo que aos poucos tudo vai ficar mais fácil, é só praticar. Primeiramente, peça para um professor ou amigo explicar estas técnicas, e quando estiver seguro, tente você mesmo. Com o kite fora da janela de vento (com o vento transversal ao bordo de ataque do kite) tente ir subindo e trazendo até a zona neutra (no alto), fazendo ação e reação, ou seja, sem movimentos fortes, suba um pouco e pare, suba um pouco e pare e assim em diante, não faça rápido para não cair na zona de power, o que pode ser perigoso para os iniciantes. Repita o processo várias vezes. Atenção, a sua barra deve ficar sempre paralela ao bordo de ataque do kite. Não esqueça que os tempos de reação do kite variam de acordo com seu tamanho, kites grandes têm uma reação mais lenta que kites pequenos.

Cuidado com as rajadas ou calmarias de vento, caso ocorra forte rajadas tente mover-se para frente, com calmarias, que possam fazer seu kite cair, mova-se para trás rápido. Depois de treinos, com a obtenção da sensibilidade você vai conseguir saber o que está acontecendo com o kite, sem precisar olhar. Se o kite responder um comando com potência, você saberá que ele está se aproximando da zona de power, se faltar potência, ele pode estar saindo da janela de vento, nesse caso, faça varias vezes ação e reação (não esqueça que tem que ser com o bordo de ataque cortando o vento), até ele voltar a posição acima da cabeça (zona neutra). Uma vez que você já praticou bastante o teste de padrão de vôo, indo de um lado ao outro da janela de vento (nas pontas), faça o número 8 (oito deitado), com o kite, bem suavemente, e depois volte para a zona neutra.

Com isso você vai sentindo a zona de power, que fica próxima ao angulo 45º (em relação ao chão). Tente equilibrar o seu centro de gravidade com a tração do kite e sem a tração. Aprenda como pairar o kite entre 45º e 70º, mantendo ele perto da água (ou chão) sem deixar cair. Essa técnica é essencial para iniciar o bodydragging. Pratique várias, tentando fazer o 8 (deitado), sempre entre 45º e 70º, sem fazer com que ele caia.

Em seguida tente aproveitar um pouco mais de potencia (faça somente na água), girando o kite 180º entrando um pouco na zona de power, mas só faça isso quando estiver bem seguro, sem ninguém na sua frente, pois dependendo da rajada, você pode fazer um “pequeno vôo”. Repita do outro lado também.

Não se esqueça de treinar a usar o sistema de liberação de segurança quick-release, e muito cuidado com as linhas, nunca nada em direção a elas, pois se o kite decolar acidentalmente, você pode se ferir.

Potência

Antes de entrar na água, você deve saber algumas técnicas fundamentais sobre o controle da potência. O erguimento do kite é proporcional à área da superfície projetada e o quadrado da velocidade de vento aparente. Simplificando: a potência produzida depende da área projetada do kite e da força do vento. Além a da força exercida pelo seu peso contra a forte tensão.

i. o controle da superfície projetada é o método mais usado no velejo, como no windsurf por exemplo, para reduzir a potência. Isso pode ser conseguido com um kite de 4 linhas, com o de 2 linhas não é tão simples assim. Com o de 4 linhas você pode ajustar a potência e a elasticidade.

ii. controlar da velocidade também faz a aumentar ou diminuir a potência do kite. Com pouca velocidade de vôo, é mais fácil para você colocar e manter ele na zona neutra. Para aumentar a velocidade do vôo você tem que fazer kite voar de um lado para o outro, abaixar e levantar ele para que utilize a força da zona de power.

Boddy dragging

Antes de tentar o body dragging, você tem que saber tudo a respeito de segurança do kitesurfing, além de todas as técnicas já citadas anteriormente. Além disso, já deve ter bastante sensibilidade no controle do kite, pois você pode não conseguir ficar olhando para ele. Planeje sua decolagem e sua entrada na água. Após isso, comece a decolar seu kite por um dos cantos da janela de vento até chegar na zona neutra, entre na água devagar, e então comece a fazer o 8 (deitado), de forma que se aproxime as vezes da zona de power. Fique deitado e fazendo o 8 deixando com que o kite vá te levando, faça várias vezes e muito cuidado para o kite não te levar para muito longe. Lembre-se, se o kite cair não nade em direção as linhas nunca, espere por ajuda ou tente re-decolar caso saiba.

Treino com prancha

Após todos os itens acima, você está pronto a aprender o kitesurfing. O melhor vento para aprender é entre 8 e 18 knots, usando um kite apropriado ao seu peso. Você deve sentir uma pequena pressão para cima na zona neutra, caso esteja com pressão excessiva ou muito pequena, então o tamanho do seu kite é desapropriado para você.

O local de prender o pé na prancha deve estar sempre paralelo aos ombros e não pode estar frouxo. Esse erro a maioria dos kitesurfistas cometem. Posicione a prancha na água e confira se existe nó no leash, mantenha o kite na posição neutra, use o leash no pé de lado oposto a mão que está perto do quick-release. Coloque os pés nos apoios da prancha e faça o bodydrag para um área livre de pessoas e de obstáculos e lá tente fazer o water start.

Water Start

Já na água com o leash preso no seu tornozelo, olhe ao redor a procura de coisas possivelmente perigosas para seu water start, como as pessoas, windsurfers, nadadores, etc. Se estiver tudo ok, deite na água com os pés na sua frente, sempre olhando para seu kite e mantendo ele na zona neutra. Aproxime a prancha de você e segurando a alça da frente com uma mão, o kite com a outra (a barra tem que estar presa no trapézio), coloque o pé no apoio de trás e depois o outro no apoio da frente.Atenção: cuidado para não fazer o kite entrar na zona de power.

Lembre-se: o kite tem que estar sempre paralelo a sua barra!

Repita várias vezes esse processo: colocar barra presa ao trapézio, manter o kite sendo segurado por uma mão apenas, puxar a prancha pelo leash, segurar o apoio da frente com a outra mão, colocar o pé oposto ao lado dessa mão e depois, o outro pé.

Não se preocupe se no início você ter dificuldades em manter o kite na zona neutra, isso é normal aos iniciantes. Tente ficar olhando para o kite o tempo todo caso esteja difícil manter ele na zona neutra, e treine fazer o processo acima sem olhar. Caso realmente não consiga após isso, você precisa saber manter mais o kite na posição neutra

Se você não puder fazer isto na água, então você pode necessitar mais prática que mantêm a posição neutra. Mantenha sempre os joelhos flexionados e mantenha o centro de gravidade baixo, não tenha receio de cair para trás. Uma vez em cima da prancha, tente ir fazendo movimentos de “ondas” em direção ao lado que você quer ir (dentro das limitações da janela de vento) e mantenha o equilíbrio “visando cair” para trás e não para a frente. Essa é a parte mais complicada de se pegar e exige muito treino, procure também observar bastante os outros kitesurfistas, pode ajudar em algumas coisas que você esteja com dificuldades.

Mantendo-se na prancha

Você já se mantém alguns metros em cima da prancha mas tem horas que obtém muita potência e outras, muito pouca. Isso é normal e existe várias razões para isso estar acontecendo: você pode estar tentando ir a favor do vento mais do é possível, desequilibrando-se da prancha; você pode estar entrando pouco na zona de power, e por isso não consegue velocidade suficiente; você pode ter entrado demais na zona de power, e ter obtido potência demais, enfim, todos esses erros, só pararão de ser cometidos com muita prática e paciência, nunca desista. A solução pode ser obtida também revisando todos os princípios aqui citados, ou observando bastante os outros.

Procure praticar na praia, a figura do 8, tentando ao mesmo tempo, controlar a potência, deixando-se levar de forma lenta e controlada. Quando já estiver bem, tente de novo com a prancha na água

Kitesurfing!

Após conseguir ficar em pé na prancha por uma boa distância e ir para ambos os sentidos, você já está apto a aprender novas técnicas. Tente ficar indo em linha reta, a favor do vento, e manobre o kite para fazer o 8 sem deixar o kite entrar na zona neutra para que não perca a potência, tente concentrar a maior parte do seu peso para a parte de trás da prancha, o que permitirá que você não pegue tanta velocidade. Pratique bastante a favor do vento, você vai cair cada vez menos e fará a redecolagem na água bem mais rápido se houver bastante treino e um pouco de paciência.

Trocando as pés na prancha

A partir do momento que você está dominando bem o downwind (a favor do vento), poderá tentar trocar os seus pés das alças da prancha. Coloque o kite na posição neutra e faça um S entrando mais forte na zona de power. Agora coloque o kite no sentido oposto, você provavelmente será “freado”. Pegue um pouco de velocidade e tente trocar os pés da seguinte maneira: puxe seu pé dianteiro para sair um pouco da alça, puxe seu pé de trás pra fora da alça e coloque-o só atrás do seu pé da frente. Rapidamente, sem perder o equilíbrio, puxe seu pé dianteiro para fora da alça e vá um pouco para trás. Equilíbre-se e coloque seu pé dianteiro na alça e depois seu pé traseiro. Algumas pessoas têm tendência a um lado, talvez seja mais fácil trocar os pés e depois girar, ou girar primeiro, pegar alguma velocidade e trocar (com uma preferência pessoal). Repita várias vezes o processo, é um pouco complicado conseguir nas primeiras tentativas.

Up-wind (contra o vento ou orçar)

É difícil para quem está começando, mas o esporte fica bem mais divertido quando se adquire essa técnica. Após aprender a manter a potência do kite e já conseguir trocar os pés da prancha com facilidade, orçar é só um próximo passo.

O ponto chave é manter velocidade suficiente com a prancha, mas nem tanta. Manter sempre a mesma potência é fundamental e para isso basta que o controle do kite seja feito de maneira correta. A partir de agora você já deve ter aprendido também a concentrar seu centro de esforço para mais a frente do que antes, isso irá fazer com que você não seja tão freado como da outra forma. Lembre-se que o rail line ajuda bastante a orçar.

Rajadas

Com os kites de 4 linhas, as rajadas não são tão problemáticas como nos kites de 2 linhas. Agora podemos controlar o angulo de ataque como no windsurfing, mas não é uma boa idéia saber controlar o kite com ventos muito fortes, não importa com que tipo de kite você esteja velejando. Quando o vento está extremamente forte e você ainda está iniciando, existe a tendência de colocar o kite na zona de power, tornando muito difícil frear ele. Restrinja sua velocidade mesmo no up-wind, é claro que é mais fácil do que fazer, mas é preciso ficar alerta. Com um kite de 2 linhas você pode perder mais fácil o controle e ter problemas. Quando perceber que o kite está ganhando você, pule para fora da prancha e tente fazer com que ele pare, mas cuidado para não bater com a cabeça na prancha. Outra maneira é coloca-lo na zona neutra.

Calmarias de vento

É inevitável passar por isso. Não entre em pânico, tente fazer com que seu kite movimente-se exageradamente, entrando pela zona de power de forma mais intensa. Caso ainda não obtenha sucesso, espere um pouco para ver se o vento volta ao normal e não se esqueça de evitar usar um kite pequeno nessas situações.

Saltar

O kitesurfer avançado pode atingir a altura de seis metros no ar e conseguir uma perfeita aterrissagem sem muita dificuldade. Nesta modalidade os melhores atletas estão alcançando doze metros em saltos a partir de águas paradas (sem ondas), e cobrindo a distância de um campo de futebol. Já com as ondas, o limite é o céu.